sábado, 4 de outubro de 2008

O Baile - 2ª Parte

A decoração da área do baile estava impecável, com tons de azul claro e branco, em detalhes estupendamente mínimos. Naquela hora muitos convidados chegaram através da aparatação, que fora permitida por apenas aquela noite. Os pais de Cassius foram os primeiros á entrarem no salão de dança que parecia gelo, pois o outro lado espelhava o oposto, de um jeito diferente de um espelho convencional. A tia de Cassius se destacava perto do palco, com as roupas idênticas á um pavão orgulhoso, mas com muita elegância. Depois que todos os casais entraram no salão, uma legião de deslumbrantes veelas saíram do cisne que agora estava do lado do palco e começaram á dançar e cantar na monitoria de Lavínia, enquanto os casais começavam á dançar... A regra era que a última valsa a ser dançada fosse a da noiva com o pai, por enquanto, pelo menos uma música, á que haviam ensaiado, deveriam dançar toda a família.

Era, para Cassius, uma tentação ver a expressão de vitória no rosto de Elinor ao realizar todos os passos com graciosidade e ficar da mesma altura que Cassius...

_Você está se saindo bem no salto alto...

_Eu me viro...

Com um ataque de riso incontrolável e uma volta perfeita feita por Eli, Cassius não conseguiu...

_Eu percebi... Poder das pantufas voadoras...

_Ah, não faz isso... Não na frente de todos

Elinor parecia estar se divertindo e ao mesmo tempo se sentindo desmascarada, mas mesmo asim não perdeu a pose e continuou flutuando sobre o chão espelhado... Assentiu-se pelo vestido ser longo á ponto de esconder seus pés sem salto no espelho. Foi a mais leve ao ser levantada por Cassius, e logo quando a dança encantadora das veelas se cessou, eles saíram do salão... Ao menos uma parte tinham cumprido... A valsa continuou, e Cassius reconhecia algumas pessoas ao seu redor. Depois desse passo, Elinor queria beber algo, e quando chegaram para se servir de uma bebida diferente, Cassius esbarrou em um homem esguio e de cabelos loiros e grandes...

_Me descul... VETSTAH!! Oque está fazendo aqui???

_Oh... Me desculpe... Eu sou Lirriël, e... acho que não ocnheço esse tal de...Vetstah?

O elfo era parecidíssimo com Vetstah, embora, agora demonstrasse diferenças no seu comportamento, influindo na sua aparência. Sua voz de veludo era melódica e sem fel.

_Não, me desculpe você... é que eu achei você muito parecido com o meu... amigo. É um elfo não é?

_Sim, eu sou... Sou da única tribo que restou na Terra depois de Griddenwald.. E como seus pais me convidaram, fiz questão de vir, e ajudar por causa de Merlin... As vestimentas de seu pai, sua mãe, as suas e de sua irmã, foram um presente do meu povo, e a bebida também...

_Ah, e como se chama a bebida? Parece ser bem diferente...

_Não damos nomes á nossos produtos, seria limitar suas qualidades...

_Ok... Aceita Eli?

Cassius tinha um milhão de dúvidas depois da conversa com o elfo, mas sabia que, como todo elfo, não iria responder tão fácil. Os dois se juntaram ao resto da turma, inclusive aos primos de Cassius, que se enturmaram muito rápido. A maior mudança que as festividades provocaram foi em Luisa, que estava mais vívida e sorridente; Mais participativa do grupo, mais popular e juvenil. Elinor estava alegre, diferente daquela menina de personalidade forte e excêntrica. David estava do lado da loira de olhos azuis, que agora sabia, se chamava Tory. A turma ficou junta por todas essas duas horas sem Morgana, e quando á torre do relógio, que fora intalada na torre mais alta bateram 0:00, O salão de danças se abriu no meio e uma linda jovem vestida com um deslumbrante vestido azul emergiu ao salão. Os cabelos, presos em um penteado elegante com diamantes para sustentação. As veelas começaram a sua mais linda canção e Morgana e Laurence começaram á dançar. Toda a ilha parou para ver a linda dança de pai com filha. Er deslumbrante como os movimentos eram graciosos. A valsa terminou num tom agudo e na mesma hora o salão espelhado virou uma pista de dança psicodélica. Todos dançaram, inclusive os garotos, músicas tocadas por um mega gramofone que tocava os hits mais recentes como Do the Hipogriff das Esquisitonas, e músicas de sucesso dos irmãos vampiros. A festa andava animada quando o pai de Cassius e Morgana pediu a atenção de todos...

_Com sua licença... Peço a atenção de todos por favor... Esta noite, aniversário de Morgana, eu queria agradecer a presença de 2 pessoas importantes no mundo trouxa que se prestaram á vir aqui...

O espanto foi total, pois não era comum trouxas saberem de bruxos com naturalidade.

_Por favor, palmas para o primeiro ministro trouxa monsieur Nicolas Sarkozy e sua primeira dama, mademoiselle Carla Bruni.

Todos aplaudiram os rostos conhecidos na imprensa francesa e mundial, Nicolas um político dedicado, e Carla uma cantora de sucesso e primeira dama exemplar de longe, a primeira dama francesa parecia um veela mais velha e morena.

_Bom, como quase todos, eu acho, aqui sabem, a senhora Bruni é uma excepcional cantora, então eu queria pedir com humildade para que ela demonstrasse um de seus múltiplos talentos, cantando alguns de seus sucessos... Claro Carla, só se você quiser...

_Tudo pela paz ente os dois mundos, não?

Dizendo num inglês arrastado, mas inesperado, Carla pegou seu violão e subiu ao pauco, que agora havia uma cadeira confortável. Começou á cantar uma agrdável música que falava do combate ás indiferenças do mundo, e no meio da música, Cassius puxou Elinor para dentro da casa, que agora estava deserta... De primeiro, a garota se assustou com a atitude do garoto, mas depois gostou do perigo e da ação. Cassius os conduzia á uma porta nunca reparada antes pela menina, e que levava á uma enorme escada. Quanto mais subiam as escadas, mais se ouvia o tic tac que se transformara em toc toc do imenso relógio de torre. Já se passavam das 2:30 da manhã, e Cassius subiu por uma passagem secreta, não soltando a mão de Eli nunca. A passagem fechou-se sozinha, e foi então que Cassius falou...

_Dá pra ver toda a França daqui de cima...

O telhado de vidro iluminado ao luar dava uma vista única de toda a ilha, o mar, as ondas encontrando-se com o rio calmo, o palco da festa, e se tivéssemos um pouco mais de imaginação, puderíamos ver a torre Eiffel. Mesmo tão distante do solo, ouvia-se a música muito bem... O que dava a impressão de que o lugar não passava de um sonho, com névoa e nuvens em seu topo.

_Cassius... Isso é lindo...

_Você é mais Elinor...

Os dois se olharam com uma expressão áurea e tranquila e súbitamente começaram á rir...

_Tá bom, essa foi péssima!

_Quem sabe o Professor Binns não pode te ensinar algumas mais... recentes?

_Boa idéia... Me pouparia o esforço de não saber o que falar...

_Alguma vez você ficou sem saber o que falar?

Cassius abaixou cabeça e deu um riso indiferente.

_Todo o tempo.

_Nossa! Você sempre parece tão...

_Direto? É... eu sei... E eu sempre fui direto, impulsivo... sangue quente... teve uma vez que quase quebrei o nariz do primo do Harry Potter...

Fôra a risada mais gostosa que Cassius já ouvira. Por impulso chegou mais perto de Elinor, que não recuou, nem saiu voando com suas pantufas.

_Ma com você é diferente... Sempre foi... Eu não consigo controlar, quando eu vejo, já me fiz de bobo...

_Não... você não é bobo... É só... diferente... Afinal, não é todo dia que vimos um menino de cabelo azul rondando por aí numa mansão de tetos de vidro.

Estava no gênio de Eli ser divertida, o que aproximou mais os dois.

_Eli, você é tão especial pra mim... tão...

_Esquisita? Eu sei... não uso salto, não gosto das mesmas coisas que as outras meninas, sou um unicórnio prateado, estudo com meus pés enterrados no lago negro e...

Cassius pois os dois dedos na boca vermelha de Elinor, obrigando-a á calar-se.

_Você não é esquisita... Você é você... Você é o que é, e a verdade é que eu me apaixonei por você... assim, como você é...

O clima ficava tenso, ouviu-se do lado de fora, centenas de aplausos, e começou-se uma linda música de amor...
Quelqu'un M'a Dit
Carla Bruni (traduzido do francês)


Disseram-me que as nossas vidas não valem grande coisa,
_Elinor... eu sou louco por você...
Elas passam em instantes como murcham as rosas.
_Eu tenho tentado me mudar... mudar meu gênio...
Disseram-me que o tempo que desliza é um bastardo
_Tudo isso eu faço pra você Eli...
Que das nossas tristezas ele faz suas cobertas
_Eu espero o quanto for preciso esperar...
No entanto alguém me disse...
Que você ainda me ama,
Foi alguém que me disse
que você ainda me ama
Seria isto possível então?
Disseram-me que o destino debocha de nós
_Elinor Night, desde o primeiro momento em que te vi luto por mim mesmo...
Que não nos dá nada e nos promete tudo
_Pensando se algum dia você irá me aceitar...
Faz parecer que a felicidade está ao alcance das mãos,
_Do jeito que eu sou...
Então a gente estende a mão e se descobre louco
_Meio louco, eu sei, mas eu sou assim...
-----------------------------------------
_No entanto alguém me disse... Quando se chega a hora, temos que decidir ente o bem e o bom... e eu escolhi os dois para mim... Eu escolhi você...
No entanto alguém me disse...
------------------------------------------
Mas quem me disse que você me ama ainda?
Eu não recordo mais,
já era tarde da noite,
Eu ainda ouço a voz,
mas eu não vejo mais seus traços
"ele ama você, isso é segredo,
não lhe diga que eu disse a você"
Sabe, alguém me disse...
Que você ainda me ama,
Disseram-me isso realmente...
Que você ainda me ama,
Seria isto possível então?
Disseram-me que as nossas vidas não valem grande coisa,
Elas passam em instantes como murcham as rosas.
Disseram-me que o tempo que se vai é um bastardo
Que das nossas tristezas ele faz a sua coberta
No entanto alguém me disse...
____________________
A reação foi melhor do que esperara, Elinor e Cassius pareciam estar flutuando, e não era o efeito das pantufas... Elinor ás tirara... Já não precisaria correr... O primeiro é sempre inesquecível, e esse parecia que não terminaria á décadas, ao som de uma música romântica, em um dos pontos mais altos da França. A luz da lua, que esta noite estava cheia inundava a torre de cristal. Os dois deitaram no chão limpo da torre e se puseram á observar as estrelas, e nomeá-las particularmente, independente de constelaçõs formadas. Cassius olhava mais profundo du que nunca olhara para alguém antes. Foi a única vez em uma emoção tão forte que o cabelo ficara intacto... Sua mãe enfim, tinha acertado no feitiço de estabilidade. Observando a luz da lua, Elinor que estava sonhador falou mais para si do que para Cassius:
_É estranho né? Como o ponto mais alto se encontra com o mais baixo... Olha a lua... Refletida no lago... Parece que foi construído intencionalmente... Para que o dragão sempre se encontre com a água... O oposto... Oposto destino...
_Você disse dragão?
_Sim!
Dizendo isso, Elinor apontou par a sombra de um vitral aberto com o desenho de um dragão... Agora tudo se encaixava...
________________________________________________________________________
Disclaimer: Qualquer menção de pessoas famosas e reais na minha fic, são de pura coincidencia, ou de plena admiração... Como no caso de Sarkozy e Bruni, que hoje sçao considerados o casal perfeito por muitos críticos, trata-se de admiração pelo conjunto de equipe e pela música de Carla... Á seguir, o vídeo da música Quelqu'un M'a Dit (No entanto alguém me disse...) de Carla Bruni, cuja tradução é apresentada na fic... Abraços á todos, espero que gostem da música e esperem o final do baile que promete ser arrasador...
video